segunda-feira, 13 de julho de 2020

Cais das Colunas




"O cais das Colunas deve o seu nome aos dois pilares erigidos na zona ribeirinha da praça do Comércio. São uma obra do arquiteto Eugénio dos Santos, realizada durante a reconstrução de Lisboa, após o terramoto de 1755. Estes pilares, que encabeçam a escadaria de mármore que desce até ao rio Tejo, são de inspiração maçónica e representam as duas colunas do templo de Salomão (a sabedoria e a devoção). O cais das Colunas funciona assim como a porta fluvial de entrada em Lisboa e à sua frente, em linha reta, fica a estátua equestre de Dom José I. Mais atrás, no mesmo alinhamento, ergue-se o arco triunfal da rua Augusta.

Não existe documentação escrita sobre a data de construção do cais das Colunas, mas sabe-se que foi terminado antes do final do século XVIII. As suas colunas foram derrubadas no final do século XIX e ali recolocadas em 1929. Seriam novamente desmontadas em 1997, devido às obras de ampliação do metro até Santa Apolónia, mas foram novamente montadas em 2008."
(Ezimute)

"Ladeando a escada que faz a ligação do rio à Praça do Comércio estão dois pilares monolíticos, encabeçados por uma esfera. Uma dessas colunas tem nela inscrito, letra grande na base, o nome de Salazar e a outra do General Carmona. Por estarem quase cobertos pelo lodo, torna-se difícil aos portugueses e aos turistas que por ali passam decifrar o que está escrito. Acima dos nomes dessas duas importantes e polémicas personalidades da História de Portugal, aliás, pensadoras e fundadoras do Estado Novo, estão citações que cada uma delas proferiu na sequência de duas viagens que Óscar Carmona, Presidente da República, fez às colónias.
As viagens foram importantes pois trataram-se da primeira deslocação de uma alta figura do Estado português às colónias do Ultramar. Carmona partiu, pela primeira vez, em julho de 1938, e depois novamente em junho de 1939. Em ambas as ocasiões, entrou no navio que o ia conduzir a África no Cais das Colunas, e foi também nele que atracou, vindo da viagem de regresso.
As visitas do Presidente a São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Moçambique e Angola (região aonde foi duas vezes) ficaram imortalizadas ali, na porta de entrada de Lisboa, a capital do Império.
Foi por entre as duas colunas que muitas outras figuras importantes entraram em Portugal, como aconteceu com Isabel II do Reino Unido, que visitou Lisboa em 1957."
(ardinas)

- Inscrição no pilar direito:
«Aqui embarcou o chefe de Estado para a primeira viagem às terras ultramarinas do Império: S. Tomé e Angola.
XI de Julho - XXX de Agosto de MCMXXXVIII
Com a certeza de que fala pela minha voz Portugal inteiro, proclamo a unidade indestrutível e eterna de Portugal de Aquem e Além Mar»
GENERAL CARMONA
- Inscrição no pilar esquerdo:
«A segunda viagem do chefe do Estado às terras ultramarinas do Império: Cabo Verde, Moçambique e Angola.
XVII de Junho - XII de Setembro de MCMXXXIX
A viagem do chefe do Estado às terras do Império em África está na mesma directriz das nossas preocupações e finalidade, é manifestação do mesmo espírito que pôs de pé o Acto Colonial»
SALAZAR

Fonte:Conta-me Histórias, Lisboa

16 comentários:

  1. Hola Piedade, interesante tu entrada, y muy bonitas las fotos, feliz semana.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  2. Adoro o Cais das Colunas!!!

    As fotografias são lindas e, fiquei a saber algo mais. Muito interessante!!
    Obrigada!

    Beijinhos e boa semana. :)

    ResponderEliminar
  3. Admirando com prazer as belas fotografias e agregando o saber que maravilhosamente partilhaste
    Uma linda e abençoada semana, Piedade
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. É lindo o cais das colunas! E gostei de saber sobre a sua construção e tudo o resto.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Conheço o local como conheço as minhas mãos. Embora sabendo um pouco da sua história, gostei de ler a resenha aqui "oferecida"-
    .
    Tenha uma semana feliz
    Cumprimentos poéticos

    ResponderEliminar
  6. Uma publicação fantástica!!
    ~~
    A Linha da Vida

    Beijo e uma excelente Semana.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Piedade,
    Magníficas fotos de um local privilegiado de Lisboa, onde há sempre imensos turistas e agora vazio...
    Gostei de saber sobre a sua história.
    Um beijinho e boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  8. Muy buena aproximación a ella. Me gustan especialmente las dos últimas. Además de poderse contemplar el mar, entre las columnas se puede observar un bello cielo, salpicado de nubes y de gran belleza.

    Besos

    ResponderEliminar
  9. Bonitas fotos e hoje fiquei a saber um bocadinho mais sobre a nossa história 😊

    https://checkinonline.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Piedade,quando estive em Lisboa vi esta colunas de longe,passamos fazendo passeio dentro do ônibus.Da próxima vez que for por aí...quero descer e andar pela praça e chegar perto do rio.Se Deus quiser!Bjos!

    ResponderEliminar
  11. Beleza de fotos e também muito bom o texto explicativo.

    ResponderEliminar
  12. As duas colinas se erguem do meu silêncio e da minhas memórias.
    Outro belo registro fotográfico.

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  13. Parabéns pela interessante e evocativa elucidação histórica.
    Abraço poético.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta.
Muito obrigada pela visita!