segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Ria de Aveiro



 belezas que quase nos escapam dos olhos....

domingo, 29 de setembro de 2019

Domingo


A vida é um mistério, que somente nos é revelado pelos processos do Amor; quanto mais a gente ama, no quilate do Amor que nada pede, mais ficamos sabendo das coisas escondidas dos que desconhecem essa virtude por excelência.

São Francisco de Assis

sábado, 28 de setembro de 2019

Central Tejo


Duas torres em alumínio, conexas e iluminadas, com 10 metros de altura. A escultura Central Tejo é da autoria do artista plástico Pedro Cabrita Reis e está instalada no pontão do rio Tejo, no campus da Fundação EDP. É uma peça que dialoga com o rio e com a paisagem a Sul do Tejo.

A obra resulta de uma encomenda da Fundação EDP a Pedro Cabrita Reis na sequência da aquisição da coleção privada do artista, em 2015. 

Miguel Coutinho, administrador e diretor-geral da Fundação EDP realça o simbolismo da obra e a importância deste contributo para a cidade: "Esta obra simboliza, na nossa perspetiva, a relação espacial da Fundação EDP com o rio, e, sobretudo, o permanente compromisso da nossa instituição com a arte contemporânea. É, também, uma obra para a cidade de Lisboa – não apenas pela sua localização, mas também por um acordo assumido entre a Fundação EDP e o artista."

Fonte: EDP

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Sonho


e que os sonhos nos sigam na vida ...

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Estações



a lembrar o Outono ...

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Sunset


a beleza do entardecer ...
e já é tanto ...

domingo, 22 de setembro de 2019

Domingo


Sem paz interior, sem calma interior, é difícil encontrar uma paz duradoura.

Dalai Lama

sábado, 21 de setembro de 2019

Nós de Marinheiro


 há nós difíceis de desatar...

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Repuxo


por aí...a beleza da água 

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Olhares meus


eu sei das areias e do mar e ainda e sempre o teu nome..
mora em mim e no mar..

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Magnolia Branca


A flor Magnólia do sul (Magnólia Grandiflora) foi designada oficialmente como a flor do estado do Mississipi em 1952. As árvores da Magnólias tem grandes flores brancas perfumadas, e as folhas verdes que se torna uma das árvores as mais esplêndidas da floresta, e uma planta ornamental muito popular. Magnólia é vista nas planícies costeiras do sudeste dos Estados Unidos.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

domingo, 15 de setembro de 2019

Domingo


Só dê ouvidos a quem te ama. Não te preocupes tanto com o que acham de ti. O que te salva não é o que os outros andam achando, mas é o que Deus sabe a teu respeito.

Padre Fábio de Melo

sábado, 14 de setembro de 2019

Pescadores


A Arte Xávega ...

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Aguarelas


 apenas reflexos....ao sabor do meu olhar e da minha lente.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Trombeta dos Anjos



Brugmansia suaveolens, conhecida, entre muitos outros, pelos nomes comuns de trombeta, zabumba, cartucho, hálito do diabo, mata-zombando, erva dos mágicos, erva dos feitiçeiros, borrachero, cacao sabanero e canudo, é um arbusto do género Brugmansia da família Solanaceae, utilizada como planta ornamental devido às suas grandes flores fragrantes. As suas folhas e flores são usadas em medicina tradicional como fitoterápicos para combater distúrbios intestinais e doenças de pele e como enteógeno e alucinógeno, em geral por infusão. A espécie era endémica na região costeira do sueste do Brasil, mas presentemente é cultivada em todas as regiões tropicais e subtropicais do mundo e considerada como extinta na natureza.
Fonte : Wikipédia

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Barcos




Ir a Aveiro e não andar de moliceiro, é como ir a Roma e não ver o papa. Os barcos moliceiros representaram, durante séculos, uma embarcação destinada à colheita e ao transporte do moliço (uma espécie de alga) na Ria de Aveiro. Nesta altura, estes podiam ser movidos à vela, à vara ou à sirga. Uma das mais distintas características destes barcos aveirenses é a sua decoração. Eles são decorados com pinturas que retratam, quase sempre, situações do dia-a-dia satíricas ou cómicas.

Actualmente, estes barcos são utilizados apenas para fins recreativos, transportando anualmente milhares de turistas pelos 4 canais urbanos da cidade de Aveiro. Este passeio tem a duração de 45 minutos e permite-lhe conhecer o Canal Central, o Canal das Pirâmides, o Canal do Cojo e ainda o Canal de São Roque.

Fonte : SentirAveiro

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

domingo, 8 de setembro de 2019

Domingo


À beira do fim há sempre tanta coisa que começa!

Padre José Tolentino Mendonça

sábado, 7 de setembro de 2019

Gaivotas,


em seu voo cadenciado ....

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Sunset


Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?
Frida Kahlo

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Barragem Castelo do Bode





A barragem de Castelo do Bode é uma das mais importantes barragens portuguesas. Faz parte do conjunto de barragens da bacia do  rio Zêzere, na regiao do Centro (Região das Beiras)e sub-região do Médio Tejo, em Portugal, tendo a montante a barragem da Bouçã. Situa-se nos limites dos concelhos de Tomar e  Abrantes no Distrito de Santarém. É uma das mais altas construções de Portugal.

A barragem de Castelo do Bode é utilizada para abastecimento de água, designadamente a Lisboa, produção de energia eléctrica, defesa contras as cheia e actividades recreativas. É utilizada pelos adeptos de desportos como o  windsurf, vela, remo,motonáutica e jet ski, bem como da pesca desportiva (truta, achigã, enguias e lagostim vermelho.


Fonte : Wikipédia

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Reflexos,






 ou se quiserem, aguarelas salinas ao sabor da minha lente ...

domingo, 1 de setembro de 2019

Domingo


Perguntei à terra,
ao mar, à profundeza
e, entre os animais, às criaturas que rastejam,
Perguntei aos ventos que sopram
e aos seres que o mar encerra.
Perguntei aos céus, ao sol, à lua e às estrelas
e a todas as criaturas à volta da minha carne:
Minha pergunta era o olhar que eu lhes lançava
Sua resposta era a sua beleza.”

Santo Agostinho