quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Mulher de costas Escultura de Francisco Simões




  Para Francisco Simões (Escultor)
Existem dedos que são rios
que em vez de água desaguam
arte
no âmago das pedras e do gesso.
Mãos que são rios
com caudal inextinguível
no silêncio dos sentires
impregnados de ternura.
A beleza alongada
em forma delineada
imagem imóvel
mas plena de  vida.
Mãos que por vezes são
archotes de fogo em fúria
loucura branda a gotejar
imperceptível e inebriada
Mãos renascidas ao alvorecer
quando a luz  é fosca
e ainda não fere o olhar
de beleza serena.
E nascem imagens
com contorno de vida
e quiçá sensualismo
com cor, alma  e vida.

©Piedade Araújo Sol 2015-07-06

Nota: Estas fotos são de minha autoria e a imagem retratada é uma escultura de Francisco Simões.
Estas fotos foram feitas em julho de 2020. Em 2015-07-02 , fotografei a mesma imagem em diferentes poses(as fotos não estavam assinadas) e a pedido do Escultor coloqueias-as no Facebok do referido. Mas as fotos foram partilhadas por várias pessoas  como se fossem dessas pessoas.A escultura ainda continua lá e é obra do referido Escultor Francisco Simões, mas as fotos são de minha autoria, embora qualque pessoa as possa fotografar onde a mesma se encontra.
©Piedade Araújo Sol

6 comentários:

  1. Um belo poema (fiz o exercício de o ler no sentido inverso... funciona).
    A escultura é desse autor, fomos colegas na Escola António Arroio.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Poema forte, profundo, ilustrado por uma imagem fascinante..
    .
    Cumprimentos poéticos

    ResponderEliminar
  3. Seu poema é uma homenagem encantadora ao escultor, ao seu talento e criatividade. E as fotos, assim como a obra, são belíssimas. Essa apropriação é comum no face (e não só lá), infelizmente. Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Piedade,
    Uma escultura magnífica, assim como as suas fotos que lhe dão realce.
    O poema é muito belo numa excelente te dedicatória ao escultor
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  5. Estranho, tomei-as pelas mãos e me fiz seu dono neste rio, mas sem lavrar escritura... Hoje, percebo que não me fiz o seu dono como imaginei porque, se tal tivesse acontecido, estaria aqui registrado... Fazer o que agora? Tantos já se apossaram que... Recolho-me e admiro a distância obras tão bem acabadas...
    Uma boa noite, Piedade!

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta.
Muito obrigada pela visita!