sábado, 15 de junho de 2019

Num poema!

Tanto por tão pouco
é muito:
"só tens de acordar as manhãs
e pintares o sal na pele
e o sol no olhar..." 
Depois o voo faz-se 
como sonhas
nada receies
sonhar é como se nada
flutuar na água 
olhando o céu
que no fim terás 
"algodão macio"
lá em baixo
ou lá em cima
para pousar
repousar

Autor: hajota

4 comentários:

  1. Maravilloso contraluz con unos extraordinarios colores de fondo, que hacen que la imagen sea extraordinariamente bella.

    Besos

    ResponderEliminar
  2. Andava, eu, descuidado por aí, Arganil, Lousã, Piodão. Açor, sempre voando em torno de linhas de nível, às vezes subindo até ao dorso vertebrado de rocha e esteva se o ar quente me levava, sempre seguindo o luzeiro que foi baixando, baixando, à procura de cama. E, assim, encontrei à janela a lanterna que me alumiou a noite.
    Muito obrigado.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Pura poesia em imagem e palavras, num todo perfeito!
    Estão ambos de parabéns! Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta. Muito obrigada pela visita!