sexta-feira, 27 de abril de 2018

Trilhos III


De pouco (me) valem os olhos
perdidos em noite de breu
não fora o relevo do trilho
que marca o (meu) destino
para não perder o tino.

Soberbo par fizeste juntando a imagem, que me inspira esperança, imaculada, intocável, do verde, e o poema marcado pela fé no achamento do caminho.


Autor:- hajota

6 comentários:

  1. Bom dia. Amei a foto - maravilhosa - e o poema. Super bem escrito.
    .
    * Solidão sentida por uma Ave, cansada. *
    .
    Um dia feliz

    ResponderEliminar
  2. Que boto maravilhosa!! Amei


    Beijo. Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. Maravilhosa a imagem, que tão bem combinou com a inspiração do Agostinho!...
    Estão ambos de parabéns! Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  4. Depuração
    é o que não falta
    nos trilhos,
    sobretudo quando
    se deixa aliciar
    pelo poeta,
    tal como o fez Agostinho.

    Nos trilhos,
    as palavras são a viagem.
    Nelas dizemos amém!

    Beijinhos, Piedade!

    ResponderEliminar
  5. Vi e senti pelo tacto
    fino, cristalino dos olhos
    Vi e ouvi o roçagar
    em timpanitico ritmo
    da cor a crescer
    Nem tive coragem de interromper...

    Muito grato.

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta. Muito obrigada pela visita!