segunda-feira, 16 de março de 2015

Metáfora de uma página em branco


No feitiço incontornável
de uma página em branco,
ensaio a vontade crua
de esgotar-me na metáfora
com golpes de sílex
a raiar o cego vandalismo.
.
Refugio-me sem medo
em ataques desconexos,
enrolo-me impávida
no desassossego
da tarde empoeirada
que me habita…
.
Quero despir-me de tudo
no verso dessa página
sem mácula, onde apenas
ficará a imobilidade
do meu olhar no vazio
cegamente preenchido…
.
© Piedade Araújo Sol  2008/02/22

In Poesis XVI

6 comentários:

  1. Bom dia Piedade.
    Fabuloso o teu poema, adorei!


    Desejo uma excelente semana.

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Iniciar a semana com uma leitura e visão dessas, maravilhoso! bjs, linda semana!chica

    ResponderEliminar
  3. Bonitos reflejos Y preciosas letras para dejar de ser la página blanca;))
    Un beso.

    ResponderEliminar
  4. ME ASOMBRAS CON TU POESÍA!!!!
    ABRAZOS

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde, lindo poema, era bom sermos uma pagina em branco, significava que nada nos incomodou ou que nos marcou, lindo poema, parabéns poeta do cabelo dourado.
    AG

    ResponderEliminar
  6. Gosto dos reflexos e da forma poética de vestir-se de palavras, despindo-se.
    abraço Pi

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta. Muito obrigada pela visita!