sábado, 5 de dezembro de 2015

Das telas por pintar





o corpo que sonho
em filigranas de silencio
por trás dos vidros,

a voz que oiço e saboreio
no eco do vento
disfarçado de saudade,

as mãos que tacteiam
no vácuo da certeza
do abismo,

são realidades que invento
em esboços de telas por pintar
mas que um dia acabarei.

07 de Dezembro de 2010 ©Piedade Araújo Sol
(reeditado)

6 comentários:

  1. Uma verdadeira obra de arte em palavras... conjugada com a poesia das imagens...
    Palpita-me que sejam reflexos... invertidos... que resultaram, maravilhosamente!
    Lindíssimo! Beijinhos!
    Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Ana, são reflexos e como achei que ficava melhor inverti a foto, no facebok tive o cuidado de mencionar esse facto, aqui nem me lembrei...
      obrigada pela apreciação.
      bom fim de semana.
      beijinhos

      Eliminar
  2. Lindo poema, amiga!! Parabéns!!
    Beijos,
    Vilma

    ResponderEliminar
  3. Suas fotos são telas prontas. E seus versos nascem encantados. Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Que dizer disto?
    Se os olhos se arrasam
    de sons,
    se as mãos se insinuam,
    os dedos enredados,
    no emaranhado das linhas.
    Que dizer desta luz
    que nos conduz?
    Do nascente ao poente...

    Bj

    ResponderEliminar

Não sou fotógrafa, mas, gosto de fazer arte com a fotografia. Todas as palavras e as imagens deste blogue são de minha autoria, excepto as que estão assinaladas com os devidos créditos. Não são fotos perfeitas, nem eu quero que assim sejam, porque por vezes é na imperfeição que se encontra a beleza encoberta. Muito obrigada pela visita!